Os sinais do Reino - Alma, preocupada e ansiosa

                    OS SINAIS DO REINO – A alma e suas preocupações e ansiedades  

"Respondeu-lhe Jesus: Marta, Marta, estás ansiosa e preocupada com muitas coisas. Mas uma só é necessária, e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada”?  (Lc 10:41-42)

         Há, pelo menos, quatro ocasiões em que Jesus se refere a alguém usando duas vezes o seu nome. A primeira é aqui: “Marta, Marta”. Em Lucas 13:34, a advertência é para Jerusalém, que não compreendeu o tempo da sua visitação, ao contrário, mergulhou na religiosidade e na justiça própria; depois, em Lucas 22:31, o direcionamento é dado a Simão, o apóstolo Pedro, que iria, logo a seguir, demonstrar que confiava tanto no seu braço, ao ponto de dizer que estava “pronto” a morrer com Jesus: “Simão, Simão”. Finalmente, em At 9:4, livro também escrito por Lucas, a palavra é dada a Saulo, o apóstolo Paulo: “Saulo, Saulo... Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões”, ou seja, lutar contra algo mais forte que você. Em todos os casos, a ênfase e o contexto de todos esses acontecimentos está no fato de que todos eles, buscavam a auto realização com a força própria, a força da sua própria vontade: a vida da alma.

     Jesus chegou à casa de uma mulher chamada Marta. A casa era de Marta, o que denota que era mais velha, mais experiente que sua irmã, Maria. Há algo muito interessante que é o fato da Bíblia dizer que Maria “também” estava assentada aos pés de Jesus, esse também, demonstra que Marta estava com ela, e saiu. Ambas começaram assentadas, só uma permaneceu assentada aos pés de Jesus. Marta deixou a intimidade, naquele instante, por causa dos serviços, ficou ocupada demais, afinal, os serviços eram muitos. Até a oração de quem se afasta da intimidade muda: “Senhor, será que o Senhor não se importa que minha irmã me deixe servir só” (Lc 10:40). Naquele momento não ia mais ao Senhor por necessidade dele, mas para mostrar a sua superioridade em relação à irmã. Chega ao ponto de “repreender” e chamar à atenção o Senhor Jesus.

     A resposta de Jesus é carinhosa e profunda: “Marta, Marta, estás ansiosa e preocupada com muitas coisas, mas uma só coisa te é necessária”. É quase uma poesia, numa frase, num destilar de uma inteligência sobrenatural e profunda: Havia muito de Marta, precisava diminuir, ao contrário da simplicidade e singularidade daquilo que era realmente necessário. Assim como Jerusalém, Simão e Saulo. Aprendo duas duras e importantes lições: A primeira é que, mesmo atarefados com os “serviços do Senhor”, podemos estar fazendo com a motivação errada, não pelo Espírito, mas pela vida da alma e o Senhor não recebe esse tipo de serviço. Tudo o que é edificado com a vida da alma sucumbirá ao fogo, ou seja, será tirado. A segunda, mais dura ainda, é que ansiedade e preocupação é a marca de um crente governado pela alma, ou seja, imaturo, que ainda não tem a vida do espírito nele. Crentes espirituais não são preocupados nem ansiosos.

     A tendência é que todos comecemos bem. As duas começaram aos pés de Jesus, assim como as dez virgens de Mt 25:1-13, saíram ao encontro do Noivo com suas lâmpadas acesas. Somente as prudentes tinham azeite extra, ou seja, não somente nasceram de novo, mas cresceram na vida do Espírito; deixaram se ser governados e guiados pela alma, seus pensamentos, emoções e vontades, por isso herdaram o reino dos céus, casaram com o Noivo. As outras não só não casaram, como perderam o que tinham. A vida da alma e ser dirigido por ela, nos levará a termos fortes convicções próprias; a nos vermos maiores do que realmente somos; e, por confiar em nós mesmos, mais do que em qualquer outro, a preocupação e o medo de falhar, nos levará a uma vida de ansiedade. É necessário diminuir: Tem Marta demais; tem Simão demais; tem Saulo demais; tem Jerusalém demais. Diminuir o que somos para que a boa parte, que é o reino de Deus, não nos seja tirada. “Ao que tem será dado e ao que não tem, até o que tem lhe será tirado” (Mt 25:29). Tudo o que é da alma não prevalecerá, ao contrário, aquilo que é gerado pelo Espírito Santo nos tornando espirituais, é eterno e jamais perderemos. Deus nos abençoe!

Pr Marcos Reis