O Politicamente Correto e a Igreja – O Sim e o Não

        O POLITICAMENTE CORRETO E A IGREJA – O SIM E O NÃO

Seja porém o vosso Sim, sim e o vosso Não, não; o que passar disso vem do maligno” (Mt 5:37)

     Será que ouvir o “não” traumatiza? E ouvir sim para tudo o que queremos, é realmente o melhor para nós? No ambiente da torre de Babel, se Deus não tivesse feito uma intervenção, o homem poderia fazer literalmente tudo o que quisesse. O homem simplesmente baniria o “não” da sua vida. Tudo a partir de então, seria “sim”. É, no mínimo, interessante pensarmos, com responsabilidade, o que seria um mundo assim, onde toda verdade poderia ser relativizada e os limites deixassem de existir. Liberdade total e absoluta. O “não” simplesmente não existiria mais. Você consegue imaginar o que seria um mundo assim?

     Quando o Senhor estabeleceu os mandamentos, a Lei que regeria uma nação, Israel, o sintetizou em dez declarações simples que levariam a nação a viver dentro de uma realidade de liberdade, uma vez que estavam saindo do Egito, do cativeiro. Interessante pensar que oito dos dez, começam com a palavra “não”! Cai por terra o pensamento de que a verdadeira liberdade exclui o "não". Os dois mandamentos que não tem o não, tratam da honra que devemos dar a Deus, como o nosso provedor e aos nossos pais terrenos. Nos dias atuais do politicamente correto, esses mandamentos vindos de Deus, seriam rechaçados pelos “direitos humanos” da modernidade. Diriam eles: “Isso está fadado ao fracasso! Onde está a liberdade e os nossos direitos? Esta nação será uma nação traumatizada”!  Sabemos, porém, que a realidade de Israel como nação, é bem diferente disso.

     Não é de se espantar que o mundo tem vivido a cada dia a liberdade do sim, e a proibição do não. Temos presenciado verdadeiros absurdos que quando analisamos, entendemos claramente, que o fruto disso, é exatamente o excesso da liberdade e do medo em se impor limites; no medo de dizer “não”, foram criados verdadeiros monstros.

     Jesus, no sermão do monte, nos explica a realidade de entendermos essa dualidade necessária na nossa vida: O Sim e o Não devem existir e coabitar lado a lado. O que passar disso é procedência do Diabo. É o Diabo que promete uma liberdade exagerada que tem por objetivo nos enganar e nos levar à ruína, e é tão triste, que muitos pais e ministros, por exemplo, estão treinando os seus filhos, naturais ou na fé, nessa doutrina. Com o intuito de não os traumatizar, estão os destruindo. Isso é realmente forte, e não tem a intenção de ofender, mas de despertar sobre o perigo que estamos vivendo e sobre a necessidade de corrigirmos o rumo imediatamente, enquanto há tempo. Que o mundo esteja assim, não é novidade, mas que nossas famílias e igreja, estejam debaixo das palavras de Deus, reforçadas por Jesus: Usem o SIM e também o NÃO. 

     Verdadeiros homens hoje, são aqueles que um dia foram criados com limites e disciplina. Ouviram muitos NÃO (bem mais do que sim) e entenderam como a vida funciona. Souberam transformar o NÃO em SIM, através de princípios e não pegando atalhos que poderiam os destruir. Não estão traumatizados! São homens e mulheres maduras, posicionadas na vida, com caráter, exatamente porque entenderam e obedeceram os limites que foram estabelecidos. Ao contrário, vejamos hoje como e onde estão aqueles que sempre receberam sim para todos os seus anseios...

     Triste ver uma geração crescendo cada vez mais mimada, que se traumatiza por qualquer desejo não realizado. Que se revolta com cada não que recebe. Mais triste ainda, ver pais e líderes que, por um amor que não é o amor de Jesus (embora pensem que seja), fazem literalmente tudo o que lhes é pedido, se conformando com o mundo que é governado sob as leis do diabo. Esquecem das palavras de Jesus; e, no intuito de serem respeitados, não são, ao contrário, estão criando aqueles que sofrerão mais tarde os verdadeiros traumas na vida.

     Precisamos amar com o amor de Jesus, dizer sim quando isso não for prejudicial, e entender que estamos vivendo nesse mundo politicamente correto, mas que não somos desse mundo. Nosso reino tem uma constituição própria, que mais do que prometer uma vida fácil e sem traumas aqui, nos mostra a nossa Cidade que desce dos céus! Nosso propósito eterno! E se posso ser honesto, quero te preparar: Ouviremos nessa vida muito mais “não” do que sim, talvez de dez vezes, ganhamos oito vezes o não! E então, você ainda acredita que crescerá traumatizado por isso? 

Pr Marcos Reis