Rute - Redenção e Reino - O Teu Povo é o Meu Povo

                     RUTE REDENÇÃO E REINO – O TEU POVO É O MEU POVO

“Rute, porém, respondeu: Não insista para que te deixe e me obrigues a não seguir-te. Aonde quer que fores, irei e, onde quer que pousares, ali pousarei. O teu povo será o meu povo, e o teu Deus, será o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e ali serei sepultada. Faça-me o Senhor o que bem lhe aprouver, se outra coisa, que não seja a morte me separar de ti” (Rt 1:16-17)

     Quando Noemi ouviu falar que Deus havia visitado o seu povo novamente com pão, decidiu voltar. Sabemos que Orfa não a seguiu. O nome Orfa, significa “a que dá as costas”. É muito interessante saber que quando Noemi contou às suas noras o seu projeto de voltar, ambas decidiram prontamente acompanha-la; ambas choraram e disseram que iriam com Noemi; o problema é que Noemi, deixou claro quais seriam os custos: “Eu estou velha, e sem filhos. Se por um milagre eu viesse a engravidar, vocês se manteriam puras até este ter idade para casar”? Orfa percebeu que o preço era demasiadamente alto; entretanto, Rute se apegou a Noemi. Fica claro que tanto Rute quanto Orfa são uma figura daquela que foi chamada dentre os gentios, a igreja de Cristo, porém Rute, não se detém somente no chamado; ela decide cumprir a carreira. De fato, assim se divide a igreja de Cristo: Muitos são chamados e poucos são escolhidos. Muitos começam, mas nem todos perseveram até o fim. Pela graça nós fomos chamados, e precisamos então nos submeter ao tratamento de Deus para sermos então aprovados, e alcançarmos o seu Reino. Ambas são amadas, porém, Rute é igreja, que além de amada, é aprovada.

     Uma marca importante da igreja madura é a ligação que ela tem com a nação de Israel. Só a igreja madura entende a necessidade de amar e de se ligar à nação de Israel, como bem explica o apóstolo Paulo nos capítulos de 9 a 11 de Romanos. Há um grande perigo em nos tornarmos soberbos quanto a este importante assunto: “não te glories contra os ramos. Se contra eles te gloriares, considera isto: Não és tu quem sustenta a raiz, mas a raiz a ti” (Rm 11:18). Rute entendeu que precisa devolver para Noemi o que tinha recebido dela. Assim também, a Igreja, precisa devolver para Israel algo em gratidão ao que recebeu. “São israelitas. Pertence-lhes a adoção de filhos, a glória, as alianças, a Lei, o culto e as promessas. Deles são os patriarcas, e deles descende Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos. Deus bendito, eternamente” (Rm 9:4-5). Esta é a temática da vida de Rute, que quer dizer “amiga” em relação a sua sogra.

     Há algo mais profundo ainda no que diz respeito às revelações que Israel, ainda hoje, fornece para a igreja madura. É Israel quem revela para a Igreja madura, o tempo do Messias. É impossível hoje não entender os eventos que acontecem em Israel como sendo eventos que norteiam o “relógio dos tempos”. Noemi fala para Rute: “Não é Boaz, com cujas servas estiveste, de nossa parentela. Esta noite ele limpará a cevada na eira” (Rt 3:2). João Batista diz, a respeito do nosso Senhor, que “ele tem a pá na sua mão para limpar a sua eira, e ajuntar o trigo no seu celeiro, e queimar a palha com o fogo que nunca se apaga” (Lc 3:17). É claro que aqui, a figura do Boaz limpando a sua própria eira, é a figura da volta do Senhor Jesus.

     Vem de Israel também, o modelo do sacerdócio: “Lava-te, unge-te e veste os teus vestidos” (Rt 3:3). Lavar-se na água, ou seja, nas palavras do apóstolo Paulo, sermos submissos a Cristo que nos lava com a lavagem da água pela Palavra (Ef 5:26) e também sermos cheios do óleo, ou seja do Espírito Santo. Esse é o modelo do sacerdócio da velha aliança. “Arão e seus filhos se lavarão e então os ungirás e vestirão as suas vestes” (Ex 29:4-7). A igreja não pode exercer autoridade espiritual nesta terra, se não estiver lavada pela submissão e obediência à Palavra, cheia do Espírito Santo e vestida com vestes santas. Decidimos atravessar o Jordão, deixar pai, mãe e nossos antigos deuses para trás, porque o Deus de Israel nos encontrou. Sem Israel, jamais poderíamos chegar à Casa do Pão novamente! Impressionante, como nós, em grande parte como igreja hoje, não temos a noção correta deste importante mistério totalmente necessário para a igreja madura.

     Rute honrou em todo o tempo Noemi. Assim também, precisamos estar atentos e orando pela paz de Jerusalém (Sl 122:6), sabendo que Jerusalém ainda é a “menina dos olhos do Senhor” (Zc 2:8). Todas as nações serão julgadas um dia no vale da decisão pelo que fizeram a Israel. O mundo hoje é antissemita; pessoas odeiam judeus pelo simples fato de serem judeus. Alguns chegam ao ponto de negar a realidade do Holocausto na II Guerra Mundial e insistirem em negar a ligação que Israel tem com Jerusalém. A verdadeira igreja não compactua com isso! Ela ama Israel. Simplesmente se nega em se apartar dela. Por isso receberá do Rei uma maravilhosa herança.

     “Naqueles dias e naquele tempo, quando eu restaurar a sorte de Judá e de Jerusalém, congregarei todas as nações no vale de Josafá. Ali entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem espalharam entre as nações, repartindo a minha terra” (Jl 3:1-2). Como podem tentar dividir uma terra que o próprio Deus diz que é sua possessão: “A terra não será vendida perpetuamente, porque a terra é minha, e vós estais comigo como estrangeiros e peregrinos” (Lv 25:23).

     Que possamos como igreja madura, semelhante a Rute, nos ligarmos ao povo do Senhor. O teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus.

Pr Marcos Reis