Separando terra e o ouro-Fundamento-5Ministérios

      SEPARANDO A TERRA E O OURO – OS 5 MINISTÉRIOS - FUNDAMENTO

“E ele mesmo deu, uns para apóstolos e outros para profetas, e outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo” (Ef 4:11-13)

“Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra angular. Nele, todo edifício bem ajustado, cresce, para templo santo do Senhor. E nele também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito” (Ef 2:20-22)

     A igreja é edificada sobre o fundamento dos apóstolos e profetas. O mesmo Paulo explica à igreja de Corinto que ele, como apóstolo, pôs o fundamento que é, claramente, Cristo: “Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio construtor, o fundamento e outro edifica sobre ele. Mas veja cada um como edifica sobre ele. Pois ninguém pode pôr outro fundamento, além do que está posto, o qual é JESUS CRISTO” (I Co 3:10-11). Jesus é o fundamento dos apóstolos e profetas. É claro que Cristo também é o fundamento de toda a casa e de todos os ministérios. Cristo é o fundamento de absolutamente tudo: “Todas as coisas foram feitas por Ele, sem Ele, nada do que foi feito se fez” (Jo 1:3), mas por que apóstolos e profetas são citados especificamente por Paulo como sendo responsáveis pelo início do processo da construção da Casa onde o Pai quer habitar?

     O apostólico é aquele que estabelece na terra o que o profético revela do céu. O desejo do Pai é trazer a realidade do céu para a terra: “Venha o Teu Reino”. Essa Casa começou a ser edificada na ressurreição de Jesus: “Destruí este templo e em três dias, o levantarei de novo... E Ele falava do templo do Seu Corpo” (Jo 2:19-21). Cristo é o fundamento da Casa, sem Ele, não há a mínima condição do “novo templo” que somos nós em união com Ele, ser erguido para habitação de Deus. Através do ministério apostólico e profético, sob a orientação e liderança do Espírito Santo, essa realidade celestial vai sendo estabelecida na terra. Um exemplo claro disso é Deus revelar a Daniel, um profeta que entendeu pela Palavra, o tempo do fim do cativeiro: “entendi pelos livros que o número de anos de que falou o profeta Jeremias que havia de transcorrer sobre as desolações de Jerusalém, era de setenta anos. Dirigi meu rosto ao Senhor Deus para o buscar com oração e súplicas, com jejum, pano de saco e cinza” (Dn 9:2-3). Deus despertou o profético, e não demorou muito, para que homens como Josué, Zorobabel, Neemias e Esdras, estabelecessem fisicamente a realidade que o céu estava aprovando.

     Não é difícil perceber que nos dias atuais, há uma real necessidade de como igreja, voltarmos ao fundamento do verdadeiro evangelho. Assim como o povo estava na Babilônia (que significa confusão) e precisou voltar para Jerusalém para reedificar o que havia sido destruído; nós também estamos vendo o Senhor nos trazer de volta ao seu glorioso propósito. Profetas que entendem pelo Livro, que é a Santa e Verdadeira Palavra de Deus, e verdadeiros apóstolos que entregam suas vidas na realização dessa importante obra. Muita terra foi misturada com o ouro e precisa sim, haver separação. O fundamento verdadeiro da igreja não é prosperidade, bens materiais, conquistas humanas, boas estratégias de homens, ou sucesso e bem-estar pessoal; o fundamento é o Cristo, o Filho do Deus Vivo. A glória está sendo devolvida a Ele. “Não a nós Senhor, não a nós, mas ao Teu Nome dá glória, por causa do teu amor e da tua fidelidade” (Sl 115:1). Assim saberemos quem são e quem não são os verdadeiros apóstolos e profetas da nossa geração. Todos aqueles que buscam benefícios e glória para si, não estão aptos a participar da edificação da Casa do Pai.

Pr Marcos Reis