Aba Pai - O Acordo no Caminho

                                    ABA PAI  -  O ACORDO NO CAMINHO

“Entra em acordo depressa com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho do tribunal, para que o adversário não te entregue ao juiz, e o juiz ao guarda e te levem à prisão. Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairá dali enquanto não pagares o último centavo (Mt 5:25-26)

     Falamos que o Aba Pai sabe exatamente como criar seus filhos e parar a rebelião deles. Foi assim com Israel, quando Deus usou Assíria e Babilônia para castiga-los e fazê-los entender que eram um povo escolhido e separado, que carregava sobre si, o Nome do Senhor. Sabemos que o Senhor, por amor, tem tratado o seu povo, a fim de que cada um de nós, possa manifestar, enfim, a glória que Ele tem reservado para glorificação do Seu Nome. O apóstolo Paulo diz que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, aqueles que são chamados para o seu glorioso propósito” (Rm 8:28); ele mesmo responde no versículo seguinte, qual propósito é este: “sermos conformados à imagem do Seu glorioso Filho”. Quais os caminhos que o Pai vai nos levar para que cheguemos à esta condição? Isso dependerá exclusivamente do nosso nível de rendição, submissão e quebrantamento.

     Muitos, no seio da igreja, têm passado momentos verdadeiramente difíceis. Mas precisamos entender algo: Lei é diferente de conselho. Um conselho não necessariamente carrega em si consequências; você obedece ou não; já uma lei, traz consigo, recompensas, positivas ou negativas. Se obedecemos, prosperamos; se não obedecemos, sofremos. Mas é necessário entender que isso não é ruim! As consequências são exatamente o mecanismo para que possamos detectar o que está fora do lugar e assim, nos quebrantar e consertar. O fato é que, enquanto não for “arrumada” a casa; as consequências persistirão, sempre nos alertando para que retornemos ao propósito do Pai. Infelizmente, alguns vivem uma vida inteira de alertas sem nunca mudarem, e por isso, morrem sem experimentar a boa, agradável e perfeita vontade do Senhor. A vida é um círculo de recompensas e consequências. Deus não nos aconselha; Ele nos ordena. Desobedecer é chamar para si mesmo as consequências. E, acreditemos, tudo isso é um ato de extremo amor. Viver em desordem e não acreditar em consequências, é o mesmo que admitir que a Casa do nosso Pai não tem governo e leis. 

     O Pai vai mostrar o que está errado; vai denunciar, vai advertir. Um conserto sempre começa com uma advertência. Para tratar, corrigir; o castigo pode ser um mecanismo que o Pai usará, dependendo da nossa dificuldade em ouvir as primeiras advertências. E se Ele colocar de castigo; só Ele pode tirar, ninguém mais. O intuito disso tudo é exatamente trazer a obediência de volta, para que Ele possa recompensar os seus filhos que Ele ama. O conserto trará a recompensa.

     Muitos nos pedem ajuda, mas o que de fato estão pedindo é: “por favor me tire do castigo”! Tirar do castigo, antes que o tal entenda a lição, fará com que o mesmo faça, mais na frente, coisa ainda pior. Ele precisa nos quebrar, porque o contrito e quebrantado é a sua habitação: “Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita na eternidade e cujo nome é Santo: Num alto e santo lugar habito e também com o contrito e abatido de espírito...” (Is 57:15)

     Meus amados! Há um método maravilhoso do Senhor em cumprir nos seus filhos as suas promessas. Ele não desistirá até que tenha tudo de nós! Por isso, tem nos admoestado, em todo o tempo, para que entremos em acordo com o adversário antes que este nos entregue ao juiz e isso nos leve à prisão.

     A Palavra “adversário” aqui precisa ser cuidadosamente entendida, porque, ao contrário de outros lugares, não pode ser entendida como o inimigo das nossas almas. A Palavra de Deus não nos ensinaria a “entrar em acordo com o diabo”. Adversário aqui é aquele que tem provas contra nós e, mesmo assim, nos concede a opção de, no caminho para o tribunal, entrarmos em acordo com Ele, através do quebrantamento e perdão. Que fique claro: Jesus sabe exatamente tudo o que se passa com cada filho, simplesmente tudo. Não compactua com atitudes erradas. Sua visão sobre santidade e glória de Deus, é extremamente adversa, a de muitos de nós. Se estamos desobedecendo os seus mandamentos, somos sim, seus adversários. Enquanto caminha conosco, nos dá a oportunidade de acordo; porém, quando se chega à frente do Juiz, não tem outra opção, a não ser cumprir a lei.

     Deus não deseja castigar, mas o fará se necessário for. E uma vez que entrar, é preciso que se aprenda a lição para que não se volte mais para lá. O custo do castigo é infinitamente maior que o da obediência, por isso, um verdadeiro filho de Deus, tem amor à correção enquanto estamos no caminho!