Ester - Israel e o Reino - Beleza Incomum

                                 ESTER – ISRAEL E O REINO – BELEZA INCOMUM 

Ao sétimo dia, o rei, estando alegre do vinho em seu coração, mandou que Meumã, Bizta, Harbona, Bigtã, Abagtá, Zetar e Carcas, os sete eunucos que serviam na presença do rei Assuero, introduzissem na presença do rei a rainha Vasti, com a coroa real, para mostrar aos povos e aos príncipes a formosura dela, pois ela era extremamente formosa à vista. A rainha Vasti, porém recusou atender à ordem do rei dada por intermédio dos eunucos. Pelo que o rei muito se enfureceu e se inflamou de ira” (Et 1:10,12)

     O nome Vasti significa “De beleza incomum”. Essa é a história de um rei que fez dois grandes banquetes: O primeiro, somente para os príncipes e governadores, durou 180 dias, seis meses direto de festa, mostrando “as riquezas do seu reino e o esplendor da sua majestade” (Et 1:4). Quando acabou esse primeiro banquete, o rei resolveu dar um novo banquete, desta vez a todo o povo, desde o maior até o menor, por 7 dias. Nessa festa dava-se de beber em copos de ouro, que eram diferentes uns dos outros, e havia muito vinho real, segundo a generosidade do rei. (Et 1:7).  A rainha Vasti também deu um banquete às mulheres (Et 1:9). Então, ao término deste sétimo dia de seu banquete, finalmente, o rei cheio de alegria, mandou os sete eunucos, introduzirem a rainha na presença do rei; seu objetivo: “Mostrar aos povos e aos príncipes, sua formosura”. O ápice da alegria do rei não era o vinho; era mostrar sua rainha a todos. No término da festa, o esplendor da glória do rei, seria a aparição da rainha. Acontece então o mais inesperado: A rainha recusou o convite do rei. Quando chamada, não compareceu diante da sua presença. Talvez ela não soubesse, mas o rei não queria outra coisa dela, senão, mostrar a todos a sua beleza e incomum formosura.

     Essa história é riquíssima. Nela, estão contidas características do caráter do amor de Deus e seu desejo de relacionamento conosco; significados práticos para o nosso relacionamento com o nosso rei, Jesus; revelações tremendamente proféticas para a nossa realidade como igreja e sua necessidade de clamor e ligação a Israel. Enfim, são inúmeras, acredite, as aplicações que podemos ter através desse maravilhoso livro.

     Entendemos que o objetivo final da nossa carreira não é somente alcançar a condição de “incomumente belo”, mas, fundamentalmente, com essa beleza, glorificarmos o nosso rei, através desta dádiva maravilhosa que ele nos deu. Isso é muito importante, porque nos ensina, que a nossa beleza, que pode ser representada por qualquer esfera de sucesso que tenhamos, por si só, não vale de absolutamente nada, se não for para que possa exaltar o nome do rei, quando este nos chama à sua presença. Vasti era belíssima, carregando, inclusive essa marca no seu próprio nome, tinha a coroa real, mas não entendeu, que essa beleza não era um atributo que lhe foi dado para ser usado somente para si. Sua beleza manifestaria a glória do rei e do reino a todos os povos. Ela se escondeu dentro da sua própria beleza e por isso perdeu a coroa. “Venho sem demora, guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa” (Ap 3:11). O problema dela não foi fazer uma festa. Seu problema foi não abandonar imediatamente esta festa, quando chamada a festa principal do seu Rei. Um dia, a Esposa Gloriosa de Cristo, a Nova Jerusalém, será chamada a se manifestar. E através dela, toda a glória do Rei será revelada. Deus te abençoe.

Pr Marcos Reis