Centralidade de Cristo - A única História

                  CENTRALIDADE DE CRISTO – A NOSSA ÚNICA HISTÓRIA

“E desvendou-nos o mistério da sua vontade, segundo o bom propósito que propusera em Cristo, de fazer convergir em Cristo, todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão no céu como na terra” (Ef 1:9-10)

     Ao contrário do que muitos pensam, a Bíblia não é um livro que conta várias histórias. O assunto de toda a Escritura é um só: Jesus, o Filho de Deus. Tudo, absolutamente tudo aponta para Ele e sua obra maravilhosa. Todos os grandes homens que serviram a Deus nessa terra, sempre apontavam para Cristo. Sem a realidade de Cristo, suas histórias não teriam motivo algum de terem sido contadas. Todos eles nos direcionam para uma realidade maior, são figuras de algo infinitamente mais excelente. A obra que o Pai sempre tem em mente é nos conformar à imagem de Cristo. Ele é o Perfeito; Ele é o autor e consumador de todas as coisas. Foi do agrado do Pai que a plenitude viesse por Ele, e é da profunda satisfação do nosso Deus, convergir tudo nele, ou seja, colocar absolutamente tudo o que é, debaixo de um único cabeça. Tudo o que há está sendo preparado para se submeter integralmente a Cristo.

     Quando olhamos para a vida de alguns homens que viveram sob a direção de Deus, é impossível não ver as características de suas vidas como mensagens escondidas a respeito de uma revelação maior.

     Adão é o primeiro homem, criado à imagem e semelhança de Deus; ele é o marido da mulher, o que foi estabelecido para ter o governo, então vemos, que esta história não é outra senão uma que tem o intuito de mostrar a realidade de alguém mais excelente: Cristo, a imagem do Deus invisível, o Esposo que está preparando a sua gloriosa esposa, Aquele que tem o governo absoluto de tudo! Abel, o inocente morto; aponta para um muito mais inocente, cujo sangue clama ainda melhor do que o seu; Abraão, saiu da Casa do seu Pai, assim como Cristo “deixou sua Casa” junto ao Pai, para formar uma nova nação, e ser pai de uma multidão; Isaque é o sacrifício que Deus pediu, e sabemos que ele é uma maravilhosa figura do sacrifício de Cristo; o Filho da promessa, o Amado do Pai; José, o irmão vendido por ciúmes, que se tornou o grande governador de toda uma terra fora de sua pátria, e sustentou um mundo inteiro com pão, e ainda perdoou os seus irmãos, quando estes precisaram dele, só poderia mostrar a realidade do nosso Jesus, que é o nosso sustento, nosso Rei, que nos alcançou quando éramos gentios de nascimento, nos tornando parte da família de Deus. Ele é quem perdoará a nação que o transpassou, Israel, quando esta nação mais precisar de socorro! Moisés, o libertador; Gideão o “menor” da casa do seu pai que liderou o povo para a vitória com um exército improvável; Davi, o Rei que conquistou Jerusalém, Sansão, o que despedaçou os portões com sua força; Jeremias, o que chorou por uma cidade que ele amava; Jó, o sofredor que orou pelos seus amigos; e tantos outros...

     Todas estas histórias não seriam absolutamente nada, se não falassem de uma realidade maior e mais gloriosa; se não convergissem em Cristo. Da mesma forma, meus amados irmãos, nossa vida só tem algum sentido, quando estamos espelhando a vida de Jesus, através da nossa existência. Ele é tudo em todos! Ele é o Alfa e o Ômega. Sem Ele, nada tem sentido, sem Ele nada subsiste. A Ele a glória eternamente!!! Aguardamos ansiosamente, gememos, para que seja manifestado, na Sua vinda e no Seu Reino, a realidade gloriosa, onde o Pai, fará convergir, absolutamente, tudo e todos, nos céus e na terra, em submissão ao Único Digno de toda a Glória e de toda a honra! Cristo Jesus, nosso tudo!

Pr Marcos Reis