Visão Celestial - Abraão e o Dia de Cristo

 

                               VISÃO CELESTIAL – ABRAÃO E O DIA DE CRISTO

 

Vosso pai Abraão exultou por ver o meu dia, viu-o e alegrou-se (Jo 8:56)

 

     Abraão recebeu o chamado em Ur dos Caldeus para ir à uma terra que o Senhor o daria e a seus descendentes. Ur era uma terra de profunda idolatria, regida pelo sistema de Babel, terra da famosa construção da torre de Babel. A construção da torre de Babel tinha o propósito de "tocar o céu" com esforços humanos; "fazer um nome" para aqueles que a construíram, a fim de que "não fossem esquecidos e espalhados entre as nações". Esse é o cenário histórico da região. Deus diz a Abraão para sair desse sistema, e que a partir da obediência a esse chamado, viveria algo novo, seria uma grande nação, engrandecido pelo Senhor sobre toda a Terra. 

     Partiu levando Ló consigo (Gn 12:5). O nome Ló significa véu. O significado espiritual é que ele partiu ainda com a visão obscurecida, embaçada. Características do início da nossa jornada. Num dado momento, muito prósperos, a própria terra não pôde conter os dois. Seus pastores começaram a se desentender por causa da prosperidade. Amados! Não nos iludamos: Prosperidade material não é sinal de cumprimento de propósito. Que triste ver que muitos estão encerrando a revelação em bênçãos terrenas, confundindo o reino com riquezas e conquistas da terra, esquecendo-se da visão celestial da glória de Deus e do caráter da vida de Cristo implantado em nós. Prosperidade é um teste para que possamos mostrar onde de fato está o nosso coração.

   Existem aqueles que acham que os desentendimentos vêm quando a necessidade se apresenta; mas a grande questão não é se sabemos administrar a falta, mas o quanto estamos preparados para nos posicionar na fartura. Então, Abraão diz a Ló para este escolher o lugar que queria ir! Ló levantou os olhos (Gn 13:10) avistou a belíssima planície do Jordão, e a escolheu. Abraão foi para a terra desértica de Canaã. A promessa da posse da herança do seu reino deve sempre ser maior que o nosso desejo de bem-estar. Mas será que se enganou? Deus não havia dito que seria uma terra que manava leite e mel? Aos olhos humanos, sem dúvida, a planície aquém do Jordão, era muito mais atrativa. Mas quem disse que a visão celestial pode ser contida no terreno?

     Deus estava tirando o véu de Abraão! "Disse o Senhor a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os olhos e veja, desde o lugar de onde estás, para o norte, para o sul, para o ocidente e para o oriente" (Gn 13:14). Levanta os olhos e veja! Sem o véu que embaça a visão, que limita o propósito de Deus! Tenha uma visão clara do meu propósito.

    O autor de Hebreus fala a respeito de Abraão (Hb 11:8-10) que mesmo sendo criado num ambiente de torres e cidades, preferiu habitar em tendas. Não fixou residência no terreno, ou seja, no mundo atual e seu sistema, pois sabia que a cidade de Deus é a que desce do céu, onde o arquiteto é o Pai. Venha o Teu Reino Senhor!

    Aqui temos uma importante conclusão: Primeiro: Deus vai trabalhar para que o véu seja tirado dos nossos olhos, e possamos enfim ter a visão celestial que nos impulsiona a sair do ambiente de idolatria e comodismo, para um ambiente de reino, de herança; e por fim: Somente arrebatados com a visão celestial temos condições de "habitar em tendas", ou seja, não fixar residência nesse sistema, mas esperar a cidade que desce do alto! A Jerusalém Celeste, a Cidade do Deus Vivo, que está sendo edificada como sua Esposa Gloriosa. 

    Abraão viu o dia de Cristo, teve a visão celestial, e com alegria pôde entender qual era de fato a promessa que o Pai havia feito a Ele desde o princípio. Que possamos entender: Sem a visão celestial não pode haver uma carreira que seja completada com alegria! Deus os abençoe.

 

Pr Marcos Reis